quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Delicadeuses

Logo quando desceu no aeroporto de Madrid, Ramiro me confessou: "- Eu não tinha falado nada, mas, na verdade, eu vim pra me conhecer melhor por dentro..."
Agora, tendo andado mais de 500km ele já sabe: tem mais de 200 ossos... coluna vertebral, costelas, e osso esterno. Fora um monte de órgãos...
Até agora, o que mais lhe impressionou foi, sem dúvida, o fígado.
(evidentemente pela capacidade de regeneração)
Keep walking, Ramiro. ;)

***
Meus pais me ensinaram a caminhar. Eu aprendi, a tropeçar. O barulho da pegada e o silêncio da passada. O vento sopra a nosso favor.

Não há nada de novo em um novo caminho. Não há nada de novo em meu caminhar. Meu ser tão é diferente do sertão de Guimarães. É diferente do sertão de cada peregrino. Vejo cada peregrino de costas, de um jeito que eles não podem ver. Quem olha o meu caminhar? Quem vê o que está por trás do eu caminho? Não há muito, não há nada. Não, há muito. Não, há nada. Basta repetir 8 vezes: EU CAMINHO.

Quero uma seta num pingente, apontando para baixo e para o lado, para quando olhar no espelho, me aponte onde está meu coração.

***
Estamos em Castrillo de los Polvazares, nos distanciamos cerca de 2km do caminho tradicional pra conhecer este povoado, esta ciudad feita toda de pedras. Poesia pura, Drummond.
Já andamos mais de 500km.

Já tenho uma boa noção do que é caminhar: o cheiro do barulho dos meus pés moendo as pedras do caminho. Eu moinho. De pedras, de pensamentos, de sentimentos e pessoas. Areias na ampulheta da mente. Sutilmente. E o todo feito de delicadezas de Deus.

Bê .

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Ah, nem gente, que saudade dessa pessoa!

    ResponderExcluir
  3. ramiro (lero-lero) e manuel audaz: estamos atentos às suas estripulias; sigam filosofando e esboçando o futuro livro. Abraços dos Pity!s (a D.Adelaide está em Cabo Frio; foi no ônibus do TIDE (quase a pé).

    ResponderExcluir
  4. Bê, para você.

    “Yo digo que es inútil desperdiciar la vida en un solo camino, sobre todo si ese camino no tiene corazón.
    - Pero, ¿cómo sabe usted cuándo no tiene corazón un camino?
    - Antes de embarcarte en cualquier camino tienes que hacer la pregunta: ¿tiene corazón este camino? Si la respuesta es no, tú mismo lo sabrás, y deberás entonces escoger otro camino.” Carlos Castañeda

    Bjos e saudades...

    ResponderExcluir